ó-lhó-lhó-lhó!!!
Aquela croazinha carregando ali, ó!
Vai ser altas aula hoje;
Áltax!

O objetivo na mente sempre foi a escolinha de surfe. Joani, era aterrorizado pela força do Moçambique, quando criança. “O mar era muito ruim. Lembro da mãe dizendo que ele podia comer a gente!” Criou-se um trauma e o sonho da escolinha se instalou na cabeça desse manézinho do Porto. Tornou-se Técnico em Educação Física pelo Instituto Estadual de Educação/SC.
Foi quando surgiu uma oportunidade via Programa da Escola Aberta, da Prefeitura de Florianópolis, na Escola Básica Municipal Maria Conceição Nunes do Rio Vermelho, que as coisas começaram a ter um norte!
“Levamos o projeto da escolinha até eles, fomos nas salas de aula, apresentamos a proposta e cadastramos aquelas crianças interessadas na participação”, conta Joani. ” Força de criança, gente! Pensei…pois agora? E o material? Segue o corre!”
Desse corre, surgiu a primeira parceria da Associação de Surf do Moçambique com o Projeto Escola Aberta e posteriormente com a Missão Surfistas de Cristo que ofereceu a infra-estrutura inicial, pranchas de espuma – ideais para o aprendizado –  lycras, cordinhas, transporte da entrada da praia até o Costão, lanche e mão de obra humana, colaborando no ensino dos alunos, junto com os instrutores voluntários da ASM – Edi Barcelos, Joani Felix e Emerson Miranda.
“Plantamos lá na Escola Aberta a semente do nosso futuro. Em breve essa árvore vai dar fruto; reunir forças e realizar. Essa é nossa melhor alternativa. ” pontua o idealizador do Projeto Escolinha de Surf da ASM.